Cubierto em Buenos Aires: serviço de mesa

Se você nunca visitou a capital argentina provavelmente nunca ouviu falar da cobrança do cubierto em Buenos Aires. Mas é bom ficar atento, pois é uma taxa cobrada pelos restaurantes portenhos que pega muito brasileiro de surpresa na hora de pagar a conta. Embora seja considerada abusiva por muita gente,  não tem como ser evitada, então é melhor estar preparado para pagá-la.

 

Cubierto em Buenos Aires: serviço de mesa

 

Gorjeta_em_Buenos_Aires_Garçom_www_conexionbrando_com

O cubierto é uma taxa extra cobrada pelo restaurante por cada pessoa que se senta para comer. O valor do cubierto em Buenos Aires varia de acordo com o local e deve estar informado no cardápio. Às vezes também pode ser visto em cartazes nas paredes do estabelecimento. Mas pra quem não tem costume com essa prática, como os brasileiros, essa informação pode passar despercebida.

 

Cubierto em Buenos Aires:

cobrança polêmica

 

cubierto em Buenos Aires_colagem

Mas afinal, por que se cobra o cubierto em Buenos Aires? Os donos dos restaurantes e associações respectivas alegam que a taxa cobre o serviço de mesa, ou seja, os custos com materiais como copo, talher (que em espanhol se diz cubierto), toalha de mesa e outros.

Seria como uma espécie de seguro, já que um dia eventualmente todos eles terão que ser repostos (a palavra cubierto vem do italiano coperto, que quer dizer cobertura). Achou ridícula a explicação? Pois é. Você e a torcida do Flamengo. Assim também como a do Boca (os portenhos também questionam a cobrança da taxa). Mas não tem jeito. Por mais indignado que você fique, vai ter que pagar cubierto.

 

Cubierto em Buenos Aires é diferente do couvert brasileiro

 

cubierto em Buenos Aires_paes

Outra confusão muito comum entre os brasileiros é pensar que o cubierto seria o que normalmente chamamos de couvert. Aquela cestinha com pães, acompanhada de algum patê ou manteiga, que no Brasil é cobrado por fora. Aqui isso está incluído no preço dos pratos. Não adianta recusar a gentileza, porque você vai ter que pagar cubierto do mesmo jeito, se o restaurante que você escolheu adota essa taxa (alguns, ainda que poucos, já estão deixando de cobrar).

 

Cubierto X Gorjeta

 

Gorjeta_em_Buenos_Aires

A prática dos restaurantes cobrarem cubierto em Buenos Aires prejudica também os garçons, pois muita gente pensa que a tal taxa de serviço de mesa equivale à gorjeta de quem atendeu a mesa e acaba não deixando nada por fora em reconhecimento ao serviço. Que fique claro: a gorjeta do garçom não vem cobrada na conta. Ela deve ser calculada por fora. Embora não exista um percentual especificado, em geral, recomenda-se deixar um valor entre 10% e 15% do total da conta.

 

Cubierto em Buenos Aires: regulamentação

 

cubierto_em_Buenos_Aires

Desde 2013, existe uma lei que regulamenta a cobrança do cubierto em Buenos Aires. Entre outras coisas, a lei 4407 proíbe a cobrança da taxa para menores de 12 anos e obriga que sejam incluídos no cubierto uma cestinha de pães com produtos livres de glúten ou aptos para celíacos, um copo de água de 250 ml por pessoa e sal sem sódio.

 

Se está planejando sua viagem a Buenos Aires te recomendamos BAIXAR NOSSO APLICATIVO com dicas, lista de restaurantes, hotéis e passeios, se inscrever em nosso CANAL DO YOUTUBE com vídeos e  dicas semanais e nos SEGUIR NO INSTAGRAM para acompanhar nossos posts direto de Buenos Aires.

 

Leia Mais:

Polos gastronômicos de Buenos Aires

Gorjeta em Buenos Aires: tiramos suas dúvidas!

Restaurante barato em Buenos Aires: Nossa lista

By |2017-10-06T08:00:00+00:00outubro 6th, 2017|Categories: Blog, COMER + BEBER|Comentários desativados em Cubierto em Buenos Aires: serviço de mesa

About the Author:

Adriana Albuquerque
Piauiense de nascimento, cearense de coração e casada com um portenho, Adriana adotou Buenos Aires há 9 anos. Ela é formada Comunicação Social e mãe de uma adolescente e de um filho pequeno. Uniu-se à equipe da Aguiar para produzir posts para o blog e hoje é a nossa redatora mais ativa. Provavelmente você já leu e anotou uma dicas que ela passou. Apaixonada pelo Brasil, aprendeu a amar também Buenos Aires. Já não pode viver sem mate, o chimarrão local. Adora ler, comer e viajar.