Milongas gay friendly: 5 dicas imperdíveis

Milongas gay friendly em Buenos Aires

As milongas gay friendly são cada vez mais comuns em Buenos Aires. O tango é um baile popular e, como tal, reflete as mudanças ocorridas na sociedade. Afinal, a capital argentina foi a primeira na América Latina a aprovar a lei do Matrimônio Igualitário (2010). 

Portanto, não podia ser diferente.

Como consequência, nos últimos anos, pouco a pouco, começaram a surgir lugares onde se dança o tango com mais liberdade de gênero. Assim, são lugares onde ninguém faz cara feia se vê duas mulheres ou dois homens dançando juntos.

Milongas gay friendly – Como é

As “milongas gay friendly ou queer” são lugares onde cada um dança com quem quiser. Em resumo, lugares onde os bailarinos fazem o papel de líder ou de seguidor, e não necessariamente de homem ou mulher.

Além disso, não são guetos. São frequentadas por homossexuais, heteros, trans. Não importa a orientação sexual ou de gênero. E sim que sejam todas pessoas interessadas em um tango mais livre e diverso, sem os papéis fixos do tango tradicional.

milongas gay friendly 3

Durante muitos anos o tango foi conhecido como uma dança na qual o “homem leva” e a “mulher segue”. É o rompimento dessa estrutura dentro do baile que as milongas gays propõem. Ou seja, que os papéis possam ser trocados. Dessa maneira nasce uma dança mais alinhada com uma proposta de líder-seguidor. Sem que isso tenha a ver com sexo ou com sexualidade.

 

Milongas gay friendly –  História

milongas gay friendly

A primeira milonga queer de Buenos Aires foi realizada em 2003 e já em 2007 a cidade teve seu I Festival Internacional de Tango Queer.

Em 2013, o Festival e Mundial de Tango de Buenos Aires teve um casal do mesmo sexo inscrito na categoria salão. Foi a primeira vez. 

Em 2014, dois irmãos se classificaram em quarto lugar na final de tango de palco, sem dúvida mudando o curso das regras e da competição definitivamente. Hoje, é cada vez mais comum ver casais do mesmo sexo competindo no Mundial e se apresentando em outros festivais. 

Milongas gay friendly – La Marshall

milonga-em-buenos-aires

Essa foi a primeira milonga gay de Buenos Aires, inicialmente direcionada ao público masculino e hoje aberta a quem quiser chegar. Esteve fechada por uns meses em 2018, mas reabriu em agosto em novo endereço (Yatai, 961). Será a sede, de 15 a 18 de novembro, do Festival Internacional de Tango Queer de Buenos Aires, que vai contar, inclusive, com a apresentação de um  grupo de tango formado só por mulheres.

Milongas gay friendly  Maldita Milonga

orquestra el afronte tango maldita milonga

A Maldita Milonga não é uma milonga de orientação gay, mas tem o coração e as pistas abertas a todos. Por lá, cada um pode dançar com quem quiser, sem ser incomodado. Acontece todas as quartas-feiras, em San Telmo (Peru, 571). Sempre com a música ao vivo da orquestra El Afronte e apresentação de bailarinos profissionais, que em geral dançam três tangos. Uma super pedida!

Milongas gay friendly – Bilongón

milonga-em-buenos-aires

A Bilongón (Cochabamba 2536) é uma milonga recentemente nova e bem alternativa, que funciona todas as quintas-feiras no Galpón B, com orquestras ao vivo, aulas de tango e apresentação de bailarinos profissionais. É super gay friendly!

O salão é enorme, tem calefação central, bar com preços populares, estacionamento para bicicletas e ainda um pátio “multiencuentro”, pra quem quiser ficar papeando.

A proposta segue um modelo, que já vem funcionando em Buenos Aires, de espaço autogeridos pelas orquestras de tango (nesse caso pelo grupo chamado Ciudad Baigón). As 19h30 tem aula! 

Milongas gay friendly – La Domilonga

milongas gay friendly la domilonga
Desde que começou, a La Domilonga Tango Club é um reflexo da cena contemporânea do tango em Buenos Aires,, afinal tem um ambiente jovem, gay friendly e altamente heterogêneo. A La Domilonga conta com música ao vivo e exibição de bailarinos a cada domingo. Em suma, é ponto de encontro de novos músicos e bailarinos. 
Antes da milonga sempre tem aulas de tango e seminários com professores convidados. Além disso, o lugar é um charme, com ampla pista com piso de madeira e área externa para bate-papo.
Por fim, tem uma parrila com preços populares e “tragos” bem argentinos. Por mais que fique meio a contramão dos bairros mais turísticos (em Barracas, na Avenida Velez Sarsfield, 222), vale a viagem!

Milongas gay friendly – Los Laureles

milongas gay friendly los laureles

Esse tradicional “bodegón” de Barracas também tem um ambiente super informal e inclusivo e é certamente um dos lugares mais bacanas de Buenos Aires. As milongas acontecem nos fins de semana, algumas vezes ao som de discos de vinil. Frequentemente também com música ao vivo.

Para completar, dá para fazer aula de tango antes da milonga. O Los Laureles é ainda um bom lugar para jantar. Em primeiro lugar porque oferece pratos simples, mas bem fartos, e com preços acessíveis. Em segundo, porque o espaço foi cenário de muitos filmes e basta a gente entrar para entender o porquê. Certamente é linda essa volta no tempo.

Fundado em 1893, mantém parte de seu mobiliário original e atmosfera dos “velhos tempos”. Fica em Av. Iriarte 2290. Como a rua é meio escurinha, recomendo ir e voltar em táxi.

Se está planejando sua viagem a Buenos Aires te recomendamos BAIXAR NOSSO APLICATIVO com dicas, lista de restaurantes, hotéis e passeios, se inscrever em nosso CANAL DO YOUTUBE com vídeos e dicas semanais e nos SEGUIR NO INSTAGRAM para acompanhar nossos posts direto de Buenos Aires.

Tem alguma dúvida?

Mês da viagem

Nome

Email

Duvida

Deseja receber nossas ofertas?

By |2018-11-02T13:39:08+00:00novembro 2nd, 2018|Categories: Blog|Tags: , , |Comentários desativados em Milongas gay friendly: 5 dicas imperdíveis

About the Author:

Gisele Teixeira
Jornalista, gaúcha de nascimento e do mundo por opção, vive em Buenos Aires há 10 anos. É editora do blog Aquí me Quedo, declarado de interesse cultural pela Legislatura Portenha em 2015. Das coisas que mais gosta na vida: dançar tango, escrever, fotografar e viajar. É casada com o Edu e tem dois gatos, a Tita e o Polaco.