MALBA: tesouros latino-americanos em Palermo

Uma visita ao MALBA é programa obrigatório para os amantes das artes ou para turistas que querem ter um panorama completo da arte latino-americana do século XX. Ali encontrarão um verdadeiro tesouro produzido por grandes nomes das artes plásticas da região.

MALBA: tesouros latino-americanos em Palermo

Inaugurado em 2001, o Museo de Arte Latinoamericano de Buenos Aires (MALBA) surgiu para abrigar 228 obras doadas à Fundación Eduardo F. Constantini pelo empresário argentino Eduardo Constantini. Tem como objetivo colecionar, preservar e difundir a arte latino-americana do século XX até a atualidade.

MALBA: tesouros latino-americanos em Palermo

Instituição privada sem fins lucrativos, o MALBA reúne hoje em seu catálogo cerca de 500 obras representativas das principais correntes e movimentos das artes plásticas do século XX e contemporâneas da região. O acervo do local é um verdadeiro tesouro executado em distintos suportes, como pinturas, esculturas, desenhos, xilogravuras, colagens, fotografias, e instalações.

Di Cavalcanti, Lygia Clark, Hélio Oiticica, Cândido Portinari e outros nomes das artes plásticas brasileiras do século XX estão presentes no acervo permanente do MALBA. O famoso “Abaporu”, de Tarsila do Amaral, faz parte do acervo e foi adquirido por Constantini durante um leilão em Nova Iorque. O quadro, um marco da antropofagia e representante do movimento modernista brasileiro, é um dos mais procurados pelos visitantes.

O tesouro guardado entre as paredes do MALBA tem também obras de reconhecidos artistas de outros países latinos, como Frida Kahlo, Diego Rivera,  Antonio Berni, Julio Le Parc, Pedro Figari, Jorge de la Vega, Guillermo Kuitca, Alejandro Xul Solar, Joaquín Torres García e José Bedia Valdés, para citar alguns.

Desfrutando arte ao ar livre

Em setembro de 2011, dentro das atividades de comemoração dos 10 anos do MALBA os visitantes do local passaram a contar com mais um espaço para desfrutar a arte: uma área ao ar livre, que ganhou uma obra intitulada Homenagem, assim mesmo em português. De autoria das artistas plásticas argentinas Nushi Muntaabski  e Cristina Schiavi, a obra é inspirada no projeto paisagístico de Roberto Burle Marx para a praça República del Perú, vizinha ao edifício do museu.

Pluralidade

Paralelamente à exposição de seu acervo permanente, o MALBA oferece uma agenda rica e variada, composta de exposições temporárias e outras atividades culturais e educativas.  Há ciclos de cinema, literatura e desenho, palestras, oficinas, debates, visitas guiadas e outras. Os programas educativos estão voltados para os mais diferentes públicos, como crianças, idosos, famílias e pessoas com variados tipos de necessidades especiais, como auditivas e visuais.

Malba: visitas e valores

O MALBA está aberto à visitação todos os dias, mesmo feriados, com exceção das terças-feiras, quando permanece fechado. Nas quartas-feiras, o horário é de 12h às 21h e a entrada geral custa $60. Nos demais dias, inclusive feriados, abre das 12h às 20h e a entrada custa $120.

Para mais informações, conheça a página do MALBA.

Se você gosta de visitar museus, dê uma olhadinha no nosso post sobre cinco incríveis museus de Buenos Aires que você não pode perder!

Se está planejando sua viagem a Buenos Aires te recomendamos BAIXAR NOSSO APLICATIVO com dicas, lista de restaurantes, hotéis e passeios, se inscrever em nosso CANAL DO YOUTUBE com vídeos e dicas semanais e nos SEGUIR NO INSTAGRAM para acompanhar nossos posts direto de Buenos Aires.

Tem alguma dúvida?

Nome

Email

Mês da viagem

Duvida

Deseja receber nossas ofertas?

About the Author:

Adriana Albuquerque
Piauiense de nascimento, cearense de coração e casada com um portenho, Adriana adotou Buenos Aires há 7 anos. Ela é formada Comunicação Social, e mãe de uma adolescente e de um filho pequeno. Uniu-se à equipe da Aguiar para produzir posts para o blog e hoje é a nossa redatora mais ativa. Provavelmente você já leu e anotou uma dicas que ela passou. Apaixonada pelo Brasil, aprendeu a amar também Buenos Aires. Já não pode viver sem mate, o chimarrão local. Adora ler, comer e viajar.