Casa Rosada: a história argentina vista de perto

 

Ver a Praça de Maio olhando-a da varanda da Casa Rosada, conhecer importantes fatos da história argentina, admirar detalhes de cada salão visitado, escutar as explicações do guia, que podem ser em espanhol, português ou inglês. Tudo vale a pena na visita à sede do Governo argentino. Não deixe esse passeio de fora do seu roteiro.

 

CASA ROSADA: A HISTÓRIA ARGENTINA VISTA DE PERTO

 

 

Casa_Rosada_Buenos_Aires_Christian Haugen

 

 

A Casa Rosada é mais uma das inúmeras belas construções que se espalham pela cidade de Buenos Aires. Sede do Governo Nacional, esse incrível palácio foi declarado Museu Histórico Nacional em 1942. Localizada em frente à histórica Plaza de Mayo (Praça de Maio para os brasileiros), forma com ela um dos mais emblemáticos cartões-postais da capital portenha.

 

Saiba mais sobre a Plaza de Mayo aqui!

UM POUCO DA HISTÓRIA DA CASA ROSADA

 

Casa_Rosada_Buenos_Aires_Página_Museo_Bicentenário

 

 

A atual Casa de Gobierno ocupa hoje o espaço onde antes estava o Forte de Buenos Aires, ainda na época colonial. Tinha fosso, torre de vigilância e depósito de armas. Passou por reformas que o deixaram mais sólido e seguro e serviu de residência para governadores e vice-reis espanhóis. Após a independência e algumas outras reformas, recebeu as autoridades dos diferentes governos do país: Juntas, Triunviratos, Diretores Supremos, Governadores de Buenos Aires e o primeiro presidente da Argentina, Bernardino Rivadavia.

 

 

EDIFÍCIO DOS CORREIOS –  O INÍCIO

 

Casa_Rosada_Buenos_Aires_Correos

 

A construção da atual sede da Presidência da Argentina começou em 1873, quando foi erguido o edifício dos Correios e Telégrafos. Com projeto arquitetônico do sueco Carlos Kihlbrg, seu desenho mistura o neorrenascimento italiano com detalhes afrancesados e foi encomendado pelo então presidente Domingo F. Sarmiento.

 

Foi Sarmiento quem decidiu pela primeira vez pintar o edifício de rosa. Há duas versões para a escolha: a primeira é que na época era comum pintar os edifícios com uma mistura de cal e sangue animal, o que resultava no tom rosado. A outra versão afirma que a intenção foi unir, como símbolo de paz, as cores que representavam as duas facções locais que se enfrentaram durante anos em guerras civis: os unitários (branco) e os federais (vermelho).

 

NOVO EDIFÍCIO PARA O GOVERNO

 

Beatrice Murch Casa Rosada

 

Poucos anos depois, o presidente Julio Argentino Roca – considerando que a simplicidade da sede do Governo destoava da imponência do edifício vizinho – encomendou uma nova construção para as instalações do Poder Executivo Nacional, similar à daquele. O também sueco Enrique Aberg propôs a demolição do que ainda restava do forte e a edificação de um prédio igual ao dos Correios. O diferencial seria a existência de uma sacada no primeiro andar para uso das autoridades durante festas e desfiles.

 

 

 A  CASA ROSADA COMO É HOJE

 

Casa_Rosada_Buenos_Aires_Véronique Debord-Lazaro

 

Mais tarde, por questões estéticas e de falta de espaço, decidiu-se incorporar o edifício dos Correios ao da Casa de Governo. A tarefa foi encomendada ao arquiteto italiano Francisco Tamburini, o mesmo que criou o projeto original do Teatro Colón, entre outros. Os dois edifícios foram unidos então por um pórtico, hoje a atual entrada da Casa Rosada, de frente para a Praça de Maio. Com isso, acabou-se de vez o que sobrava do antigo Forte. Atualmente, pode-se ver apenas alguns muros e uma fenda no Museu do Bicentenário.

 

 

Quer saber mais sobre o Teatro Colón? Esse texto é pra você!

 

VISITA GUIADA

 

Casa_Rosada_Buenos_Aires_John O'Connell

 

Vários setores da Casa Rosada estão abertos à visitação. É o caso do Salão dos Patriotas, onde podem ser vistos pinturas e retratos de líderes latino-americanos; o Salão das Mulheres Argentinas do Bicentenário, dedicado a mulheres que se destacaram na história do País; o Salão Branco, por onde já passaram importantes personalidades da história argentina e de outros países; a sala presidencial e o Salão Sul, entre outros. Não deixe de ir à sacada que dá à Praça de Maio, testemunha de importantes momentos da história do País.

 

As visitas guiadas à Casa Rosada acontecem nos finais de semana e feriados, das 10h às 18h, e são gratuitas. Os tours em Português ocorrem: sábados, domingos e feriados às 12h30 e 14:30. 

Para fazer o passeio, você deve agendar com, no máximo de 15 dias antes da data escolhida. O acesso é pelo site: VISITAS CASA ROSADA.

 

 

MUSEU DO BICENTENÁRIO

 

Casa_Rosada_Buenos_Aires_Museu_Bicentenário_Barcex

 

 

Uma vez na Casa Rosada, não deixe de visitar o Museu do Bicentenário, inaugurado em 2011 e onde é possível conhecer mais da história argentina desde a independência, através de obras de arte, restos arqueológicos e objetos históricos.

 

O horário de visitas ao Museu do Bicentenário é das 10h às 18h, de quarta a domingo e feriados. Não abre nos feriados de 1º de janeiro, Sexta-Feira da Paixão, 1º de Maio e 25 de dezembro.

 

Se está planejando sua viagem a Buenos Aires te recomendamos BAIXAR NOSSO APLICATIVO com dicas, lista de restaurantes, hotéis e passeios, se inscrever em nosso CANAL DO YOUTUBE com vídeos e  dicas semanais e nos SEGUIR NO INSTAGRAM para acompanhar nossos posts direto de Buenos Aires.

 

Saiba mais:

Conheça o edifício do Congresso Argentino.

Catedral de Buenos Aires, localizada ao lado da Casa Rosada.

Passeios em Buenos Aires: Ofertas e descontos.

Ofertas de Shows de Tango com desconto.

By | 2015-11-27T12:04:08+00:00 novembro 27th, 2015|Categories: ARTE + CULTURA, Blog, PASSEIOS + PONTOS TURÍSTICOS, ROTEIROS + DICAS|1 Comment

About the Author:

Adriana Albuquerque
Piauiense de nascimento, cearense de coração e casada com um portenho, Adriana adotou Buenos Aires há 7 anos. Ela é formada Comunicação Social, e mãe de uma adolescente e de um filho pequeno. Uniu-se à equipe da Aguiar para produzir posts para o blog e hoje é a nossa redatora mais ativa. Provavelmente você já leu e anotou uma dicas que ela passou. Apaixonada pelo Brasil, aprendeu a amar também Buenos Aires. Já não pode viver sem mate, o chimarrão local. Adora ler, comer e viajar.