Avenida Corrientes: a rua que nunca dorme

Em toda grande capital há uma região ou avenida que se destaca como epicentro da vida social na cidade, seja ela de âmbito cultural, comercial ou boêmio. Em Buenos Aires não é diferente, uma vez que a Avenida Corrientes reúne todas as funções citadas acima em uma única extensão. São quase nove quilômetros, passando por seis bairros e treze estações de metrô.

Avenida Corrientes: a rua que nunca dorme

A Avenida Corrientes, ou “a rua que nunca dorme”, como foi informalmente chamada por um jornalista nos anos 50, é conhecida por ser o eixo fundamental da vida noturna e boêmia portenha, especialmente por ter sido a principal testemunha da época de ouro do tango na cidade nas décadas de 1930 até 1950.

Avenida Corrientes: turística e comercial

A avenida se inicia no bairro Puerto Madero, na costa do Rio de La Plata, onde já se encontram alguns grandes pontos históricos como o elegante Centro Cultural Kirchner e também o Luna Park, monumento histórico nacional, onde grandes boxeadores lutaram por anos.

A avenida então logo se aproxima do chamado Microcentro, passando pelas famosas ruas Reconquista e Florida, a zona financeira e comercial da cidade, respectivamente, até chegar a seu cruzamento mais movimentado com a Avenida 9 de Julio, local onde está o emblemático monumento Obelisco.

Avenida Corrientes: gastronomia e boêmia

Por ali se encontram as mais famosas e elegantes casas de teatros, óperas e tango da cidade, transformando a região da Praça da República na área noturna mais movimentada e cultural de Buenos Aires. Há anos, desde a cultuada época de ouro do tango, a região também é o principal centro das mais tradicionais pizzarias e cafeterias, locais onde diversos músicos e escritores se reuniam. Os tais encontros artísticos podem ter ficado no passado, mas a tradição gastronômica e boêmia prevalece, e até hoje a zona agrega variados restaurantes e bares interessantes.

Avenida Corrientes: cultural

A Avenida Corrientes segue para outra importante área central da cidade, onde há o circuito de livrarias, um grandíssimo aglomerado de variadas livrarias, que muitas vezes funcionam até altas horas.

Ao caminhar por ali é possível encontrar desde novidades, raridades, usados, quadrinhos, de todos os gêneros até livrarias especializadas um único tema. Lá também está o Paseo de la Plaza, que é um dos centros culturais mais interessantes de Buenos Aires, destacando-se por sua imensurável variedade de estilos e propostas. Seguindo mais algumas quadras, a Corrientes encontra a região de Once, conhecida pelo grande comércio de ruas e galerias.

Avenida Corrientes: residencial e tango

A Avenida Corrientes finalmente chega aos bairros residenciais, como os tradicionais bairros Abasto, Almagro e Villa Crespo onde mesmo mantendo uma maior tranquilidade, possuem pontos de interesse cultural e comercial como a região do Shopping Abasto, e a herança do tango deixada por Carlos Gardel nas esquinas com estátuas, cafeterias e bares.

Conheça neste link os principais shoppings de Buenos Aires

Enfim, Avenida Corrientes estará eternamente “acordada” no coração da cidade. Iluminada pelas luzes de todos os seus estabelecimentos, pulsada pelo eterno movimento dos seus habitantes, e amada por todos os portenhos.

Se está planejando sua viagem a Buenos Aires te recomendamos BAIXAR NOSSO APLICATIVO com dicas, lista de restaurantes, hotéis e passeios, se inscrever em nosso CANAL DO YOUTUBE com vídeos e dicas semanais e nos SEGUIR NO INSTAGRAM para acompanhar nossos posts direto de Buenos Aires.

Tem alguma dúvida?

Mês da viagem

Nome

Email

Duvida

Deseja receber nossas ofertas?

By |2018-04-10T20:22:25+00:00outubro 22nd, 2015|Categories: ARTE + CULTURA, Blog, COMER + BEBER, COMPRAS + DINHEIRO, DORMIR + BAIRROS, PASSEIOS + PONTOS TURÍSTICOS, ROTEIROS + DICAS, SHOWS + BALADAS, TANGO + MILONGAS|Comentários desativados em Avenida Corrientes: a rua que nunca dorme

About the Author:

Haendel Dias
Haendel Dias. Mineiro, recém legalmente portenho. Obcecado e graduado em Cinema. Ansioso, insone, cruzeirense e cervejeiro. Comanda os vídeos da Aguiar e assina diversos posts do blog. Aos 15 anos sonhava em ter uma banda, hoje, em ter um bar e milhas vitalícias. É editor de vídeo, musicalmente difícil de agradar, compulsivo, aficionado em astronomia e psicologia. Lê e escreve religiosamente histórias de suspense e complexidades humanas.